A disparada no preço do gás de cozinha está pesando no bolso dos brasileiros. Em janeiro, o preço médio do botijão (GLP, o gás liquefeito de petróleo) chegou a R$ 75,77 conforme dados da ANP, registrando preços mais altos em alguns estados, como o Mato Grosso (R$ 105). No ano passado, o aumento no país foi de 9,24%, de acordo com o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo). É mais que o dobro da inflação oficial, que ficou em 4,52% em 2020.

Por que o preço do gás de cozinha está subindo?

Veja as razões abaixo. Política de preços da Petrobras Desde 2019, a Petrobras faz alterações nos preços do gás sem periodicidade definida, assim como faz com os preços da gasolina e do diesel. Isso significa que a empresa pode mudar os preços de acordo com as condições do mercado, principalmente as cotações do petróleo e do dólar. Antes da adoção dessa política de reajustes, os preços eram revistos a cada três meses, considerando uma média de cotações dos últimos 12 meses. A Petrobras anunciou, no início de janeiro, o primeiro reajuste do GLP para o ano: um aumento de 6%, chegando a R$ 35,98. Foi a 11ª alta nos últimos nove meses..